O mês de julho de 2020 começou com a repercussão e debate nacional a respeito da frase: – …cidadão não, engenheiro civil, formado, melhor que você”, após trecho de uma reportagem do programa Fantástico, da Rede Globo ser vinculada em TV aberta no domingo do dia 5/7/2020, sobre as aglomerações causadas pela reabertura dos bares em meio a pandemia.
Já no final do mês, na edição do dia 26/7/2020, foi a vez de um desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo viralizar, com perdão do trocadilho, de um fato ocorrido anteriormente no mesmo mês e acentuar ainda mais as discussões a respeito da maneira do trato entre pessoas seja lá qual for a sua profissão, extrato social ou condição de vida. O debate desse assunto é essencial para amadurecimento, mas de maneira alguma deve-se generalizar e destacar um fato individual como sendo prática comum de uma “classe”, sendo que nem mesmo essa palavra entre aspas seja a mais correta.
As pessoas podem dizer o que bem entendem, mas também devem se responsabilizar por aquilo que proferiram.
A engenharia civil de maneira alguma é um antro de soberba ou estrelismo, somos um grupo de profissionais que com bases técnicas e seguindo diretrizes muitas vezes não tão claras buscamos resolver problemas da melhor forma possível, atendendo ao que se demanda com um custo-benefício satisfatório. Na medicina os profissionais jamais apontam falhas dos colegas, e sim tratam como sendo outra linha, diferente da sua, de condução de certo problema de saúde. Um profissional do direito, por sua vez, confronta ideias com o seu semelhante não de forma a rebaixar e sim debater para a construção de uma ideia mais certa possível baseado em uma determinada visão dos assuntos.
A CONFIANÇA é fundamental nessa relação de engenharia onde o parecer técnico sempre será dado com o intuito do que é correto e melhor a se fazer. Porém a área de atuação na prática permite um certo jogo de  tentativas anda não feitas por ninguém mas que o tomador de decisões pode fazê-la sabendo o que é o recomendado, mesmo que talvez não se encaixe cem por cento na sua situação. A engenharia permite que haja muito “engenheiros de obras prontas” julgando depois que algum erro aparece ou receitando outra alternativa que na verdade deveria ter sido expostas antes. Outras alternativas ou alguma inovação pode surgir para resolver aquilo que antes não se tinha uma receita de como fazer. Busca-se sempre se aperfeiçoar e adquirir conhecimento seja pela pesquisa ou até mesmo com os erros, somando a cada dia e sendo melhor hoje que ontem em prol de melhorar ainda mais amanhã.
Muito obrigado.
Texto do engenheiro civil Paulo Henrique Passos da Artefatos Confiança

 

Voltar